Um banco para o fim dos tempos

desertificação


Um banco do fim dos tempos para o cerrado, se definiria pela criação de um espaço adequado, com técnicas de armazenamento adequadas, para a preservação do maior número possível das partes germinativas das espécies desse Sistema Biogeográfico, caso um apocalipse venha destruir a vegetação desta riquíssima matriz ambiental, para que no futuro ela possa ser, se necessária refeita.


Por Altair Sales Barbosa, professor pesquisador


Os desafios não só para a criação, como para a manutenção de uma arca desta natureza, do ponto de vista econômico, são imensos e exigiriam um programa consistente de pesquisas, para o resgate dos conhecimentos atuais e para a formação de gerações de novos pesquisadores, dentro de uma ótica que não tivesse interrupção. Também os desafios para a solução dos intrincados problemas ecológicos, seriam imensos. E, teriam que ser considerados desde o oligotrofismo do solo, como regime climático, balanço hídrico, e tantos outros que possibilitassem a germinação e sobrevivência das plantas retiradas do banco.


Caso o cerrado, venha a desaparecer totalmente, situação que se encontra prestes a acontecer, pela sua importância ecológica, para o equilíbrio de grande parte das áreas continentais do planeta, com certeza, esforços na busca de soluções científicas e tecnológicas não seriam medidos.


O cerrado, na plenitude de sua biodiversidade, já se encontra extinto. Considerando parte da complexa ecologia e da sua história evolutiva, as formas vegetacionais, desde as suas origens, representaram importância fundamental na configuração da totalidade ambiental. Entretanto, a vegetação enquanto comunidades, não existe mais, porém é possível encontrar uma outra espécie isolada, sobrevivente da tragédia da extinção.


Uma outra questão importante a ser colocada, se refere a difusão do cerrado e sua adaptação ao solo oligotrófico.


Em 1961, o pesquisador Ferry, se surpreendeu com a constatação de que após vários anos de pesquisas acerca do cerrado, constatou que nunca encontrou plantinhas de espécies permanentes que pudessem dizer com segurança, que provinham de sementes. Reprodução vegetativa de vários tipos, é responsável pela manutenção desta vegetação em determinado local e pela sua expansão em áreas adjacentes.


Experiências não publicadas, com sementes de algumas espécies, revelaram que não há dificuldade para germinação em condições de laboratório, no cerrado entretanto, as mesmas sementes não germinam ou fazem em porcentagem muito pequena, mesmo quando há alguma germinação, a sobrevivência final é extremamente baixa.


Isto pode ser explicado da seguinte forma: As sementes das plantas permanentes do cerrado, são produzidas e dispersadas via de regra, ao final da época seca, muitas são comidas por insetos e outros animais, muitas morrem pelo excessivo calor solar, algumas apenas são preservadas em certos pontos mais abrigados. No cerrado antigo, a superfície do solo é dura e seca e tem um baixo teor de coloides assim, quase toda água das primeiras chuvas corre pela superfície. As sementes que iniciam sua germinação com estas primeiras chuvas, não encontram água suficiente para prosseguir em seu desenvolvimento.


O cerrado é um dos ambientes mais antigos da história recente do planeta Terra, que tem início no Cenozóico, portanto trata-se de um ambiente, onde os elementos fundamentais que o compõem, já chegaram ao clímax evolutivo, com grau elevado de especialização, e os componentes vivem em complexa simbiose, além de necessitarem de condições especiais para sobreviverem.


Sementes de algumas espécies, principalmente arbóreas, germinam até com certa facilidade em viveiros, outras precisam de tratamentos especiais, para quebra de dormência e processos de escarificação. Somando todas as espécies que germinam em viveiros, chega-se a um total de aproximadamente 180 espécies, quantia que é insignificante, pois são conhecidas quase 13 mil espécies vegetais, que compõem a flora do cerrado. Um outro problema a ser considerado para o desenvolvimento das plantas, cujas sementes germinam em viveiros, é encontrar locais especializados, onde estas possam desenvolver e, se tornarem adultas, de acordo com suas exigências adaptativas.


Algumas adaptações da vegetação do cerrado, como sistema subterrâneo desenvolvido desde o estádio de plântula, com raízes que atingem grande profundidade no solo, em busca de água, caules subterrâneos com função de reserva ( xilopódio) e com gemas que permitem a reprodução das plantas após a estiagem e as queimadas, translocação de foto assimilados para o sistema subterrâneo nos períodos de seca, caules aéreos com cortiças para proteção contra fogo, solos com pH ácido, acúmulo foliar de alumínio, ajustamento osmótico das raízes possibilitando a entrada de água nos meses secos, são sinais de processos adaptativos de uma vegetação antiga.

grandes plantações vistas por imagem de satélite


Essas considerações iniciais, embasam um grande projeto no sentido da construção dessa estrutura preservacionista e futurista.


No atual estágio, se encontra em conclusão um levantamento bibliográfico que contenha a listagem das plantas conhecidas do cerrado, incluindo as obras que listam as plantas ameaçadas de extinção. Paralelamente diversos experimentos de preservação, estão sendo realizados, desde condições de armazenamento até experimentos com germinação.


Para mais conteúdos de altíssima qualidade, acesse o blog do ias clicando aqui.

Mais publicações