“Estamos acabando com nossa fábrica de chuvas”, afirma pesquisadora do Inpe

amazonia-queimadas-destamatamento

Catastrófico. É assim que a pesquisadora Luciana Gatti, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), define o cenário atual da Amazônia brasileira. Após quase uma década de estudos ao lado de 18 colaboradores, ela descobriu que a maior floresta do mundo não só tem perdido a capacidade de capturar dióxido de carbono (CO₂), como passou a ser fonte de emissão do gás responsável pelo aquecimento global.


O processo, segundo a cientista, acontece sobretudo no lado leste da Amazônia e é estimulado pelo desmatamento e queimadas. A descoberta, publicada no ano passado na revista Nature, deixou a pesquisadora em choque. “Foi muito pesado para mim”, lembra. A novidade ganhou destaque em veículos mundo afora e acendeu o sinal vermelho para como o país está agravando a emergência climática.


De lá para cá, Gatti se tornou incansável na tarefa de alertar o Brasil para a gravidade da situação da região amazônica, acentuada com o desmatamento recorde no governo Bolsonaro. Nesta entrevista ao InfoAmazonia e PlenaMata, ela explica como ocorre a emissão de CO₂ pela floresta e dá outro aviso importante: o desmatamento na Amazônia está acabando com os inúmeros serviços ambientais prestados pela floresta. Prejudica a formação de chuvas e provoca seca em algumas partes do país, com impactos econômicos e sociais desastrosos, especialmente para o agronegócio.


A entrevista remota foi concedida em sua casa, em São José dos Campos. “Aqui eu resolvo parte das demandas de trabalho sem precisar jogar CO₂ na atmosfera com deslocamentos desnecessários para o laboratório. E ainda ajudo o Inpe a economizar energia elétrica”, brinca a doutora em química. “Observamos redução nas chuvas, aumento de temperatura e maiores emissões de carbono pela floresta. Nós fomos vendo também diferenças muito grandes entre as quatro regiões que estudávamos na Amazônia. A emissão de carbono, por exemplo, que é um processo natural da floresta, é maior no sudeste e no nordeste em relação ao sudoeste e noroeste”, acrescenta.


O texto na íntegra e a entrevista pode ser acessado: https://infoamazonia.org/2022/07/29/luciana-gatti-estamos-acabando-com-nossa-fabrica-de-chuvas-amazonia/


Leia mais notícias no blog do Instituto, acessando o link: https://iasbrasilbr.org/category/noticias/

Mais publicações

casa de barro e palha de Francisca

Francisca geraizeira

Lá para as bandas do Tabuleiro do Cotovelo, bem nas cabeceiras do riacho de Tamarana, município de Correntina na Bahia, existia um pequeno rancho coberto

Leia mais »